domingo, 22 de agosto de 2010

Bálsamo






Nada adianta
Pedistes clemência
Há esta ausência
De alma magoada...








Morais Oliveira.

sábado, 21 de agosto de 2010

Aos Vales Sombrios.



Após a leitura de O Sofrimento do Jovem Werther!





Ainda padece o meu coração
Por ti.
Ainda...
Meu ultimo sopro de vida
Gastarei com o pensamento
Em ti.
Ainda...
Ainda? Melhor falar a verdade
Agora já não basta mentir:
Sempre!
Uma bala; um tiro; liberdade,
Sem mais dor;
Adeus: Mãe, amigos, queridos.
Suas lágrimas me servirão de alimento
No Túmulo...
Já basta. Se não a coragem se esvai.
E tudo,
Não por ti,
Mas por mim:
Meu peito não suporta mais
Tanta angústia...










Amauri Jr.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Tédio.
























Agora, que me importa mais a paz?
A monotonia de uma vida
Sem aventuras
Apavora-me.
Longas tardes, debruçado em frente ao espelho
Olhando o meu reflexo:
Tédio!
Prefiro sofrer as desventuras dos amores...
Que me arrancam a falsidade!







Morais Oliveira.

O Pássaro!






Sempre fui rocha.
Esperando ansioso o teu delicado pouso,
Para purificar-me com teu toque e,
Lúgubre ficar, com teu vôo.


Vento eu sou agora.
Esperando alcançar tuas asas
Para de novo sentir teu toque,
Quando chegar a ti,
Não mais deixarei que partas!








Amauri Jr.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

Em Silêncio...






















Por que ousas em fatigar minh’alma?
Desviando o olhar para outrem!
Morro de ciúmes! E calo em meu espírito.
Sofro comigo. E não ouço mais:
Eu te amo!
Ainda hoje chorei, mais uma vez só;
Sempre o pranto é o meu canto.
Solitário!
E mesmo por fim, quero o teu querer;
Já não insisto em te esquecer.
















Amauri Jr.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Sensações do Amor I.





















Eu sugo teu néctar ó flor sem pétalas;
Esperando ser banhada na face por teu mel,
Num movimento ardente
De língua e mãos.
Sua palpitação exala-me prazer.
O teu sangue quente
Recebe o frescor de minha saliva.
E faço de teu gozo
Também meu maior momento de deleite.








Amauri Jr.

Sensações do Amor II


















Depois de ser molhada pelo orvalho salivar
A rosa abriu-se, excitada,
Esperando o toque da flor sem pétalas.
Um contato, o prazer.
O movimento dinâmico do desejo;
Os desejos em prática
No vai e vem do Amor.
O Sacro e o Profano
Unos! Gozando...








Amauri Jr.

Sensações do Amor III






















Sem o orvalho, o botão de flor
Recebe o toque da flor sem pétalas.
Seco e apertado; um esforço, sem sucesso.
Uma nova investida,
Um gemido de dor e prazer.
No sentido aguçado de vontade
De ir e vir,
Da arte de fazer sentir
Prazer, e ter orgasmo!








Amauri Jr.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

Torpe.









Sentido
Insano.
Dormindo
O profano;
Rasgando
O pano.









Morais Oliveira!