quinta-feira, 22 de abril de 2010

Despedida



Quando se fores de meus braços
Cansados, eu diante de teus olhos,
Pérolas que me deixa de braços debruçados,
Faça-se de mim, farte-se de meu eu,
Pois castigo ou presente não haverá.
Sem trejeitos se ambos de me acabar;
O sonho deitado, calado de ti
Farsante de tudo quando de si,
Aproveite e não me diga,
Pois beijo de fim não hei de dá.







Amauri Jr.

3 comentários: